Corredores Verdes

Funções e Tipos de Corredores

 

Os Corredores Verdes possuem dois grandes grupos de funções:


Funções Ecológicas:

• Protecção de áreas naturais, constituindo habitats para plantas e animais, ajudando na manutenção da biodiversidade. Previne o isolamento das espécies, mantendo os processos demográficos naturais;

• A vegetação ripícola funciona no abaixamento da temperatura da água por ensombramento. Produz matéria orgânica que serve de alimento aos animais aquáticos; permite e ajuda na criação de estruturas ripículas diversas e dinâmicas, como charcos, piscinas, cascatas; aumenta o fluxo ascendente de águas subterrâneas e de nutrientes;

• A vegetação do corredor funciona como filtro urbano, melhorando a qualidade do ar e da água. Promove ainda o transporte de matéria, organismos e energia; tem ainda a função de protecção nas áreas urbanas, intervindo positivamente nos processos hídricos, diminuindo o risco de erosão;

• Uma rede de Corredores Verdes bem estruturada poderá ajudar as comunidades bióticas a adaptarem-se às mudanças ambientais de longo prazo.


Funções Económico e Sociais:

• Constituem infra-estruturas fundamentais das áreas florestais pelas funções que exercem em termos de conservação e produtividade;

• Criam vias de circulação alternativos através de mobilidades suaves;

• Promovem o turismo e a preservação do património histórico e cultural;

• Fornecem espaços para recreio e lazer;

• Ajudam a manter e valorizar a qualidade estética da paisagem.

As redes de Corredores Verdes para serem acessíveis devem ser transitáveis e oferecer condições exigentes relativamente à segurança. A sua gestão ao longo do tempo é por isso indispensável.

A nível local e regional elas devem incorporar itinerários de ligação que lhes sejam complementares.

Entre estes itinerários mencionam-se os antigos caminhos rurais, por vezes históricos, com origem na época romana, cuja memória e utilização importa preservar.

São também as antigas estradas, do Plano dos Centenários, acessíveis a transportes motorizados de tráfego reduzido e lento, hoje percorridos por transportes públicos. São igualmente os antigos caminhos-de-ferro ainda em funcionamento, sobretudo aqueles que autorizam o transporte de bicicletas.

É ainda o caso dos 700 km do “Plano Nacional de Ecopistas” iniciado pela “REFER Património” em 2001 que, aprovado poucos anos depois, deu origem, caso a caso, a diversos estudos de enquadramento ambiental e, finalmente, aos primeiros projectos de execução.

Podemos então afirmar que os Corredores Verdes constituem um conceito indispensável a um correcto ordenamento do território, numa óptica de garantir a qualidade dos recursos necessários às futuras gerações. Esta é a ideia que se encontra na base do conceito de desenvolvimento sustentável.